Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A ÚLTIMA FRAGATA ~ BEYOND

Por mais que repetida, dure o tempo que durar, meio século ou milénios, a mentira é sempre repugnante, vesga, coxa e de perna curta.

A ÚLTIMA FRAGATA ~ BEYOND

Por mais que repetida, dure o tempo que durar, meio século ou milénios, a mentira é sempre repugnante, vesga, coxa e de perna curta.

NÃO TENHO DE RESPEITAR

(4)81anos2 (24).jpg

NÃO TENHO DE RESPEITAR
Não tenho de respeitar quem não me respeita;
Não tenho de respeitar um aleijado mental que apregoa aos quatro ventos que os namorados dos anos 50 não podiam andar de mão dada na rua;
Não tenho de respeitar um achadiço borra-botas que passa a vida a atirar para cima do Estado Novo a culpa da sua imbecilidade, limitações e traumas;

Não tenho de respeitar um lambe-cus polidor de esquinas que papagueia verdadeiras barbaridade na televisão só para ficar bonito na fotografia;
Não tenho de respeitar nem aturar certa gente que "inventa" a transumância até às profundezas do Alentejo quando a mesma acabava no segundo mês do ano num redil numa terra do meu pai, ao lado da Estrada da Beira, bem perto dos sopés das serras da Estrela e da Lousã, no curso inferior do Ceira e do Mondego;
Não tenho de respeitar professores que ensinam aos alunos que “o fruto do carvalho é a bolota”, e que “o bugalho”, de facto o fruto do carvalho, “é uma excrescência da árvore para se defender do ataque de uma mosca”;

Não tenho de respeitar um sistema político que acolhe, promove e condecora como figuras nacionais, traidores à pátria, terroristas e criminosos de delito comum. 
Aniceto Carvalho

À DESCOBERTA

(4)81anos2 (22).jpg

À DESCOBERTA
Á DESCOBERTA é um programa sobre diversos eventos no Mundo apresentado por dois actores franceses que eu vejo sempre e gosto muito.
Neste último que vi, o tema era a evolução do RUGBY no mundo.
Um dos actores tinha uma espécie de mapa da Europa em esboço, levantava uma parte da capa do esboço, apresentava o país correspondente.
Mostrou a Grã-Bretanha, a França, etc., etc., por ali fora, levantou a parte do esboço do mapa relativo à Península Ibérica e... muito sorridente, atirou:
- Aqui é a Espanha!
“E tu, franciu do c..., és um grande filho da puta” – pensei eu.

Quis o acaso que logo nessa noite recebesse a visita do “Asterix – ao Serviço de sua majestade”. Quem é que não deixa tudo para ver o Asterix?

Com os romanos a passos de desembarcar nas costas da Inglaterra um súbdito militar de sua majestade vem avisar a rainha do drama eminente. E mais informa que perante a catástrofe o melhor era pedir auxílio aos irredutíveis gauleses do Asterix.
A rainha pensa um tempão. O emissário, desesperado, por fim insiste:.
Sua majestade britânica condescende em abrir o seu coração:
- Estava aqui a pensar em qual das duas opções será pior: Se nos deixarmos invadir pelos romanos ou se pedir a ajuda aos gauleses.
Era o que eu também pensava se estivesse no lugar de Sua Alteza Real.
Aniceto Carvalho