Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Réstias do Tempo - BEYOND

Por mais que repetida, dure o tempo que durar, meio século ou milénios, a mentira é sempre repugnante, vesga, coxa e de perna curta.

Réstias do Tempo - BEYOND

Por mais que repetida, dure o tempo que durar, meio século ou milénios, a mentira é sempre repugnante, vesga, coxa e de perna curta.

RETRATO DE FAMÍLIA

(4)81anos5 (3).jpg

RETRATO DE FAMÍLIA
Eram assaltantes de bancos, sequestradores de aviões e barcos, mataram e estropiaram pessoas em actos terroristas, (Estação Sul e Sueste, lembram-se?), foram desertores e traidores à pátria… De repente, a transbordar de sabedoria, experiência de vida e competência de dez, vinte e trinta de anos de clandestinidade, juntamente com mais uns milhares de lutadores antifascistas polidores de esquinas desde o dia anterior que nunca tinham mexido uma palha, alaparam na Assembleia Nacional, nos bancos, nas grandes empresas, nas cãmaras municipais, em tudo o que fosse compensador e desse para minar por dentro.
ESTAVAM À ESPERA DE QUÊ?
Bem pregava Marcello Caetano: “Veremos alçados ao poder analfabetos, meninos mimados, escroques de toda a ordem que conhecemos de longa data”.

Aniceto Carvalho

CRIANCINHAS AMESTRADAS

(4)81anos5 (5).jpg

CRIANCINHAS AMESTRADAS
Adoro palhaçadas de quem não sabe nem quer fazer coisa nenhuma: Dias do pai, da mãe, do avozinho, do primo no Brasil, do cão, do gato, do piriquito, para enrolar ainda mais o pobre parolo há 45 anos alienado até à medula.
Estava a passar por alto as resportagens televisivas com criancinhas, sei lã porquê fiquei de olho na do Palácio de Belém com o Presidente da República.
Chamou-me a atenção, logo no princípio da fantochada, comecei a achar uma das criancinha demasiado espertinha para o meu gosto... Às tantas a Catarina Furtado, a acompanhante, fez-lhe uma pergunta: Muito espevitada, a criancinha, uma menina de uns oito ou nove anos respondeu que de Natal, Páscoa, anos dela, do pai, da mãe, etc. a única data que lhe interessava era o 25 de Abril.
ADORO CRIANCINHAS AMESTRADAS.
Aniceto Carvalho