Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Réstias do Tempo - Blogmaster

Esconder quem somos sugere sempre contas por ajustar com o passado.

Réstias do Tempo - Blogmaster

Esconder quem somos sugere sempre contas por ajustar com o passado.

Mulher moderna

MULHER MODERNA

Quando eu tinha mais ou menos os meus vinte anos, por vezes passava umas noitadas a cirandar por Lisboa de um lado para o outro.

Em geral tomava o pequeno almoço num café da baixa, frequentemente no Café Gelo, mesmo em frente da Estação do Rossio.

Embora normalmente um bocado cedo, nunca lá faltavam umas raparigas vistosas, aprumadas, acompanhadas de uns tipos do nível delas, que nós deduzíamos, eu e os que me acompanhavam, não ser chungaria da Almirante Reis, mas sim gente de outro quilate, do género jovem emancipada da altura, que fumava, andava a estudar, qualquer coisa assim,  etc. e tal.  

Davam nas vistas, nós comentávamos: “O género de mulher capaz de encher as medidas a qualquer um… para os outros” – acrescentávamos.

Aniceto Carvalho